Nosso site usa cookies para melhorar sua experiência. Ao prosseguir você concorda com nossa política de privacidade.

‘Austeridade em saúde é uma falsa economia’

Publicado em 17/06/2016 • Notícias

Cortar despesas na saúde em tempos de recessão é um desastre tanto do ponto de vista humano quanto do financeiro, afirma David Stuckler, professor de política econômica e saúde pública na Universidade de Oxford, Reino Unido.
Autor de“A Economia Desumana – Por Que Mata a Austeridade” (ed. Bizâncio, Portugal, cerca de R$ 84), Stuckler esteve no Brasil para a 22ª Conferência Mundial de Promoção e Educação na Saúde UIPES, realizada em maio, em Curitiba (PR).
No livro,o economista e sociólogo britânico compara os efeitos da redução e do aumento de investimentos em saúde pública em diferente países, em períodos de crises econômicas.
No último dia 11 de junho, Stuckler deu uma entrevista, por telefone, à Folha.
Leia abaixo os principais trechos da conversa.
? Folha – Porque o senhor afirma,em livros e palestras,que a redução de gastos em saúde é a pior catástrofe? David Stuckler -Por que há um risco real e comprovado demais mortes, surtos de infecções como por HIV, retorno de doenças erradicadas como malária, aumento dos índices de alcoolismo e suicídio epidêmico. É o que vimos acontecer recentemente na Grécia, por exemplo.
Agora, para lidar com esses problemas, o governo grego vai ter de gastar mais do que teria gasto para prevenir doenças.
Austeridade em saúde é uma falsa economia,e não é nenhum exagero dizer que austeridade mata.
Quais seriamos argumentos econômicos para convencer as autoridades a não cortar o orçamento para a saúde durante uma crise? Há um clichê econômico que diz: “Uma onça (28 gr) em prevenção vale uma libra (450 gr) em cura”.
Algumas pessoas pensam que saúde é só um custo a mais a ser abatido, mas os governos fazem escolhas sobre onde gastar ou poupar em tempos difíceis.
Frequentemente,este debate acaba sendo apenas ideológico,mas pode-se debater com evidências científicas.
No departamento de sociologia [de Oxford] estamos estudando um conceito chamado multiplicador fiscal.
É um cálculo sobre quanto dinheiro você consegue de volta com diferentes tipos de gastos públicos.
Descobrimos que os melhores índices multiplicadores vêm dos gastos com saúde e educação. Entre os piores, estão os gastos com defesa: em alguns países europeus, esses índices chegam a ser negativos.
Portanto, mesmo quando é inevitável fazer cortes, é melhor proteger a área da saúde. É uma oportunidade de recuperar a economia e crescer mais rapidamente.
Além de evitar cortes, os governos deveriam investir ainda mais em saúde durante a crise? Sim, e isso tem sido feito com sucesso na história. Para citar um exemplo clássico, o “New Deal”, programa de recuperação econômica dos Estados Unidos após a Grande Depressão iniciada em 1929, investiu muito na construção de hospitais e escolas.
Investir em saúde e bem estar é uma oportunidade de retomada do crescimento,e eu espero que o governo brasileiro aprenda com essas lições da história para enfrentar a crise pela qual o país passa.

Fonte: Folha de São Paulo

Mais notícias e eventos