Nosso site usa cookies para melhorar sua experiência. Ao prosseguir você concorda com nossa política de privacidade.

Dilma quer nova CPMF aprovada até julho

Publicado em 19/11/2015 • Notícias

A presidente Dilma Rousseff avisou sua equipe econômica que vai atuar pessoalmente para tentar aprovar a nova CPMF até julho no Congresso e que, até lá, propostas como o aumento da Cide (tributo cobrado sobre a venda de combustíveis) não têm seu aval como alternativa para salvar as contas públicas.

Segundo a Folha apurou, a presidente tem feito reuniões específicas sobre o tema e recebeu relatos, inclusive do vice-presidente Michel Temer, sobre a melhora do cenário para recriar o imposto.

Temer afirmou a Dilma que tem sido procurado por empresários e banqueiros, como o presidente do Itaú, Roberto Setubal, e do Bradesco, Luiz Carlos Trabuco, que defendem a volta do tributo como uma “saída viável” à crise econômica do país.

O vice disse a Dilma que, mesmo sendo contra o imposto, caso haja consenso de que não há outra saída para o buraco fiscal, não será ele quem vai impedir as articulações pela volta da CPMF.

No início de setembro, Temer ensaiou defender o aumento da Cide como uma das saídas para a crise econômica, mas recuou após sofrer pressão de diversos setores de seu partido, o PMDB. A proposta de Temer, feita a partir de sugestão do ex-ministro Delfim Netto, poderia gerar uma receita adicional de R$ 14 bilhões, sendo R$ 11 bilhões para a União e R$ 3 bilhões para Estados e municípios.

Até o fim do ano, Dilma promete intensificar reuniões com deputados, senadores, prefeitos e governadores e, entre seus argumentos, estará o fato de o mercado ter acenado sobre o retorno do imposto como “a única saída”.

Responsável pela articulação política do Planalto, o ministro Ricardo Berzoini (Secretaria de Governo) também relatou à chefe ter recebido relatos de setores produtivos que já veem o tributo com menos resistência.

Mas, desde setembro, quando o governo propôs a recriação da CPMF como uma das medidas para cobrir o rombo fiscal, a maior parte dos parlamentares rechaça a ideia de aprová-la, para não ficar com o ônus da criação de um novo tributo no país.

Por isso, apesar do otimismo de Dilma de levar adiante a ideia, Temer alertou a presidente que não há consenso político neste momento para aprovar a CPMF no Congresso.

Fonte: Folha de S.Paulo

Mais notícias e eventos