Nosso site usa cookies para melhorar sua experiência. Ao prosseguir você concorda com nossa política de privacidade.

Hospital de Câncer terá auditoria do Estado

Publicado em 08/06/2016 • Notícias

Um dia após o gestor do Hospital de Câncer de Barretos,Henrique Prata, ameaçar fechar uma unidade da instituição por falta de repasses financeiros,a Secretaria da Saúde do Estado anunciou que irá vasculhar, por meio de uma auditoria,a aplicação de dinheiro público na fundação que gere a instituição.
Na quarta-feira (1º), a direção do hospital veio a público informar que,devido a um atraso de R$ 30 milhões do governo de Geraldo Alckmin (PSDB),a unidade de Fernandópolis (a 555 km de SP) poderia ser fechada por 30 dias.
Inaugurado em 2013,o local realiza exames preventivos de câncer de colo de útero, de pele, de próstata e de boca. São cerca de 3.000 atendimentos por mês.
Além da “ampla auditoria” na Fundação Pio 12, instituição filantrópica que controla os hospitais do câncer de Barretos, de Jales e o ambulatório em Fernandópolis, o secretário estadual da Saúde, David Uip, chamou de “inconsequentes,mentirosas e irresponsáveis” as declarações públicas dadas por Prata contra ele e o governo.
Uip nega que a devassa nas contas seja em retaliação à administração do hospital e afirmou que a auditoria tem um“espírito de colaboração” com a gestão.
“Fizemos um sorteio e,por coincidência, Jales, onde está o hospital, entrou. Todos os equipamentos de saúde do Estado que receberam dinheiro público irão ser auditados.
O espírito é de colaboração.
A experiência que fizemos na Santa Casa de São Paulo mostrou que havia problemas de gestão e as auditorias que fizemos ajudaram”, diz.
O secretário negou que haja valores atrasados com a instituição e informou que, desde 2013, cerca de R$ 700 milhões foram repassados a ela.
“Espero que o fechamento não aconteça.Está à frente de qualquer embate, a população, e vamos ajudar”, afirma.
Mentiras A irritação maior do secretário foi porque, em conversas públicas,o gestor do hospital reclamou de demora no credenciamento federal da instituição, o que poderia gerar recursos maiores.
“Nenhum deles se trata pelo SUS.Não sabem o que é estarna fila esperando para ser atendido, com dor, e não ter remédio”,falou Prata em entrevista coletiva.
Segundo Uip, o encaminhamento da creditação das unidades de Jales e Fernandópolis já foi feito por “11 vezes” ao Ministério da Saúde, que está de acordo com o pedido, mas ainda não tem recursos para fazê-lo.
“Ele[Prata] é inconsequente quando diz que o pedido não foi feito. Ele mente quando diz que não foi recebido por mim. Até avisei a ele, quando nos mostrou balanços, que estava sendo imprudente por depender demais de verbas de doação e de renúncia fiscal.” A direção do hospital não quis se pronunciar e informou que sabia da auditoria.

Fonte: Folha de São Paulo

Mais notícias e eventos