Nosso site usa cookies para melhorar sua experiência. Ao prosseguir você concorda com nossa política de privacidade.

Manter plano de saúde custa cada vez mais caro para empresas

Publicado em 09/11/2015 • Notícias

Manter o plano de saúde dos funcionários custa cada vez mais caro para as empresas no Brasil. É o que indica um estudo da Mercer Marsh Benefícios.

Segundo a pesquisa, os gastos das companhias com seguro saúde tiveram um amento médio de 14,8% neste ano. Para cada funcionário, o custo médio do benefício subiu de 196,17 reais em 2014 para os atuais 225,23 reais.

Há três anos, as despesas com plano de saúde representavam 10,38% da folha de pagamento das corporações. Hoje, essa parcela já é de 11,54%.

O levantamento avaliou 513 empresas de 31 segmentos no país, a maioria com faturamento anual acima de 100 milhões de reais.

Delas, 51% cobram dos empregados uma coparticipação para o financiamento do seguro saúde e subsidiam, em média, 78% das despesas fixas do plano.

Esse cenário, porém, muda de acordo com o setor em que as organizações atuam. No farmacêutico, por exemplo, 69% das companhias arcam com todos os custos fixos e, quando há compartilhamento, o subsídio médio é de 86% dos valores.

Já na indústria de automóveis, 57% das empresas dividem com os trabalhadores os gastos com plano de saúde – o índice mais baixo – e o subsídio médio é de 78%.

Estratégias

Das companhias ouvidas no estudo, 45% disseram que pretendem fazer mudanças em seus programas de saúde em até um ano. Destas, 26% buscam a redução de custos.

A troca de fornecedores de planos foi uma estratégia citada por 40% das corporações para a agenda dos próximos 12 meses, sendo que 60% farão a substituição para tentar gastar menos com o benefício.

Na tentativa de baratear as despesas, 47% adotam programas de gerenciamento de doenças crônicas, 37% monitoram as interações dos beneficiários e 29% adotam o recurso da segunda opinião médica para diagnósticos complexos.

Apenas 20% das empresas, entretanto, investem em programas estruturados de qualidade de vida, para prevenir os gastos com seguro saúde.

“E isso é fundamental para controlar os custos dos planos de saúde no futuro”, diz, em nota, Mariana Dias, líder da área de consultoria e gestão atuarial da Mercer Marsh Benefícios.

Dentro desse pequeno universo, 85% dos projetos patrocinam campanhas de vacinação, 63% mantém planos de atividades físicas, 53% adotam iniciativas de cuidado com a saúde emocional e 34% de prevenção a DSTs.

Ainda sob esse recorte, 66% das companhias trabalham a ergonomia no ambiente de trabalho, 47% mapeiam o perfil de saúde dos funcionários, 54% patrocinam checkups, 35% têm programas de ações antitabagismo, 44% de saúde bucal e 26% de ortopedia.

Fonte: Exame

Mais notícias e eventos