Nosso site usa cookies para melhorar sua experiência. Ao prosseguir você concorda com nossa política de privacidade.

Nos consultórios,1/4 dos médicos do país não aceita planos de saúde

Publicado em 04/01/2016 • Notícias

Um quarto dos médicos brasileiros que atendem em consultórios não aceita nenhum plano de saúde. Atendimento, só no particular.
A constatação aparece pela primeira vez no relatório “Demografia Médica”, feito pela Faculdade de Medicina da USP com apoio dos conselhos federal e paulista de medicina (CFM e Cremesp).
Segundo especialistas do setor, nessa última década, os especialistas passaram a se concentrar em consultórios para atender clientes de planos de saúde.
Mas, com a defasagem no valor das consultas, muitos médicos deixaram os convênios e optaram pelo atendimento puramente particular.
“Os 75% dos médicos que ainda atendem planos também têm reservado cada vez menos espaço na agenda para pacientes conveniados, priorizando particulares”, diz o professor da USP Mario Scheffer, coordenador do estudo.
A dentista Maria Clara Santana,45, concorda. “Fiz o teste. Você liga pelo plano, a secretária diz que o médico não tem agenda nos próximos meses.Você pergunta se tem particular e a disponibilidade é quase que imediata.” Entre os fatores que estão levando médicos a só atender pacientes particulares estão maior remuneração (a consulta chega a custar dez vezes mais do que a paga pelo plano), ausência de burocracia (como prazos para pagamento impostos pelos planos), um menor número de pacientes para atender e mais tempo para se dedicar a ele.
Segundo dados da ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar), o valor médio da consulta paga pelos convênios está em torno de R$ 60. As entidades médicas defendem um valor de R$ 130.
Em consultórios particulares de São Paulo, os preços variam de R$ 200 a R$ 1.500.
“Muitos pacientes preferem ficar com o médico que confia e pagara consulta. O que onera são os exames, a internação, não é a consulta”, afirma Bráulio Luna Filho, presidente do Cremesp.
Pedro Ramos, diretor da Abramge (Associação Brasileira de Medicina de Grupo), diz que a entidade estuda um novo modelo de remuneração que traga mais equilíbrio e que atenda a todos os atores da cadeia de saúde. “Temos que buscar um meio termo em que todos ganhem.” Ramos pontua, no entanto, a necessidade de discutir a remuneração de acordo com o desempenho. “Aquele que melhor cuida do paciente ganha mais. Precisamos também conter o desperdício, que drena 20% dos recursos do setor”, afirma Ramos.
CARREIRA A advogada Renata Vilhena, especialista em direito à saúde, diz que muitos médicos só aceitam usuários de planos quando estão no início da carreira ou até conseguir uma boa carteira de clientes. Depois, passam a atender só no particular.
Segundo Rosana Chiavassa, advogada especialista em relações de consumo, alguns clientes têm pleite a dona Justiça a atualização do valor do reembolso das consultas particulares, como forma de reduzir o prejuízo. “As operadoras costumam congelar os valores numa tabela de zilhões de anos atrás.” Por outro lado, ela lembra que os médicos cobramo que querem pelas consultas. “É um abuso. E o consumidor não tem coragem de negociar, se sente refém da situação.” De acordo com Scheffer, os especialistas primeiro deixaram o SUS para atender usuários de planos de saúde nos consultórios,e agora já não os atendem mais (ou atendem muito pouco).
“Foi retomada uma coisa que a gente achou que estava em declínio: o médico ‘liberalzão’, que atende quem quer, quando quer e cobra quanto quer”, diz.
Para ele, isso não é resultado apenas da decisão individual do médico, mas também de falhas das políticas em saúde. “É o pior dos mundos para um sistema universal de saúde. As pessoas cada vez mais têm que colocar dinheiro do próprio bolso.”

Fonte: Folha de S.Paulo

Mais notícias e eventos