Nosso site usa cookies para melhorar sua experiência. Ao prosseguir você concorda com nossa política de privacidade.

Anvisa desmente Secretaria de Saúde e diz que não tem informações detalhadas sobre superbactérias

Publicado em 19/07/2015 • Notícias

A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) contrariou informações divulgadas pela Secretaria de Saúde do Distrito Federal sobre o quadro de incidência de bactérias multirresistentes na rede hospitalar. Por meio de nota a agência afirma que não tem dados nacionais sobre a infecção de bactérias como a KPC e a Enterococo, resistentes a uma série de antibióticos e que provocaram um estado de endemia no DF. 

Em reunião com pessoas aprovadas para concursos da Secretaria de Saúde, uma voz supostamente do secretário de saúde, João Batista de Souza, diz que os casos de KPC se estendem a todo os hospitais do DF, inclusive os privados. A Secretaria de Saúde disse que o chefe da pasta cita unidades que constam em relatório da Anvisa, que desmente a informação. Em um trecho do áudio gravado por uma participante do encontro, Souza afirma que os casos são muitos.

— Está dentro do Santa Helena, está dentro do Santa Lúcia e está dentro do Sarah. Ceilândia está lá, desde setembro do ano passado com KPC. No HUB só no mês de outubro eu tive oito casos ano passado, relata o secretário. Em outro trecho da gravação, o secretário nega que o Distrito Federal esteja sofrendo uma crise de KPC. Para ele, tudo não passa de uma “”farsa””.

— Não existe esse negócio de crise de KPC aqui, KPC aqui está igual no mundo inteiro, conclui. 

Segundo a Secretaria de Saúde as afirmações aconteceram em um contexto de exemplificação que as bactérias multirresistentes são microorganismos considerados comuns no ambiente hospitalar e para reforçar que a situação é endêmica e que não há surto, fato que vem sendo amplamente divulgado pela Coordenação de Infectologia da Secretaria.

Em nota, a Anvisa acrescenta que as informações sobre a incidência de bactérias multirresistentes em unidades hospitalares são de difícil apuração porque não é possível determinar se o paciente deu entrada em unidades de saúde com infecção instalada ou se houve agravamento ou instalação da bactéria após procedimentos médicos.

Fonte: R7

Mais notícias e eventos