Nosso site usa cookies para melhorar sua experiência. Ao prosseguir você concorda com nossa política de privacidade.

Brasileiros foram usados em testes de remédio dos EUA, diz Corregedoria

Publicado em 10/11/2015 • Notícias

A Corregedoria Geral da Administração do Estado de São Paulo e o Departamento de Polícia de Proteção à Cidadania (DPPC) estão investigando médicos que prescreveram o remédio “Juxtapid”, produzido por um laboratório dos Estados Unidos e não aprovado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Há suspeita de que os médicos teriam negociado com o laboratório para testar o medicamento em pacientes brasileiros. As informações são do SPTV.
Nesta segunda-feira (9), policiais civis foram a 14 consultórios em São Paulo, Suzano, São José dos Campos, Campinas, São Bento de Sapucaí, Pindamonhangaba e Lorena. Os prontuários de 33 pacientes foram apreendidos. Essa é mais uma fase da investigação, que começou em 2013.

Davi Tangerino, advogado que representa o laborário no Brasil, negou que a farmacêutica tenha usado brasileiros como cobaias. Ele também disse que não fez nenhum pagamento indevido aos médicos que prescreveram o remédio. Tangerino ainda afirmou que um pedido será feito à Anvisa, com informações adicionais.O número de ações judiciais que pediam a compra do remédio foi um dos fatos que chamou a atenção dos órgãos investigadores. A polícia ouviu alguns dos pacientes que estavam usando o remédio e descobriu que alguns deles não precisavam do tratamento e estavam com efeitos colaterais. Um dos entrevistados disse que, após usar o medicamento, passou a ter tonturas e formigamento no braço.
Para o delegado Fernando Bardi, do DPPC, os médicos envolvidos recebiam orientação do laboratório para prescrever o remédio. “Quase todos eles [pacientes] assinaram documentos e a grande maioria sem saber que se tratavam de procurações judiciais para demandas jurídicas. Eles acreditavam que esse medicamento era fornecido regularmente pelo estado, sem a necessidade de ingressar em juízo”, disse.
A Justiça cassou algumas liminares que pediam a compra do remédio. Em uma dessas decisões, o juiz ressaltou as suspeitas que recaem sobre os recentes pedidos em massa para o medicamento, todos com relatórios médicos similares. Já a Corregedoria do estado diz que deverá acionar o FBI para investigar o laboratório.

“Há uma questão muito maior do que o dinheiro, que é o fato do brasileiro estar sendo usado como cobaia”, disse Ivan Francisco Pereira Agostinho, presidente da Corregedoria Geral da Administração do Estado de São Paulo. “A ideia é se ressarcir para poder destinar esse dinheiro para quem precisa”, completou. Todos os pacientes que foram medicados com o “Juxtapid” deverão realizar exames detalhados. Os médicos responsáveis poderão responder por lesão corporal e periclitação de vida.
Os norte-americanos usam o medicamento para tratar uma doença rara provocada pelo excesso de colesterol no sangue – ela atinge uma pessoa a cada 1 milhão. Apenas um grupo pequeno de doentes usa o remédio nos EUA. No Brasil, um único médico receitou o “Juxtapid” para 18 pacientes – são R$ 4 mil por um único comprimido e R$ 120 mil por um mês de tratamento. A prescrição do medicamento teria provocado um prejuízo de R$ 40 milhões aos cofres públicos.

Fonte: G1

Mais notícias e eventos