Nosso site usa cookies para melhorar sua experiência. Ao prosseguir você concorda com nossa política de privacidade.

Caranguejo de sangue azul possui substância química que pode curar infecções bacterianas

Publicado em 23/11/2015 • Notícias

O caranguejo-ferradura, também chamado de límulo (Limulus polyphemus), tem semelhanças filogenéticas com as aranhas e os escorpiões, ao contrário de outros caranguejos (crustáceos), e é considerado um “fóssil vivo”, pois as espécies possuem até 400 milhões de anos. O límulo possui um mecanismo de regeneração semelhante ao de estrelas-do-mar e também pode ficar sem comer por meses.

_x000D_

Porém, tanta diferença assim pode ter um motivo, de acordo com os cientistas. Ao longo destes 400 milhões de existência, a espécie quase não se modificou. Inclusive, mantendo uma das características mais diferentes entre o reino animal. O seu sangue é azul, devido a concentrações elevadas de hemocianina, no lugar das hemoglobinas. Esta proteína não possui ferro como “ponto chave”, e sim, cobre, que reage com o oxigênio acarretando em sua coloração diferenciada. 

_x000D_

Esta diferença sempre chamou a atenção dos cientistas, que, desde 1964, ao se descobrir que a hemociacina poderia curar doenças por bactérias, estudam a espécie. Apenas amebócitos (células de seu sangue) possuem semelhanças químicas capazes de combater bactérias de forma efetiva, isolando-as em coágulos que são verdadeiras prisões incapacitantes. A formação destes coágulos acontece no mínimo contato sanguíneo com contaminações bacterianas.

_x000D_

Assim, as indústrias farmacêuticas envolveram-se na busca exaustiva pelos límulos, causando uma exploração perigosa à espécie.

_x000D_

A prática consiste na extração do sangue de vários exemplares, fazendo com que eles fiquem ideais para testes de ‘lisado de amebócitos de límulus (LAL)’ para a detecção de endotoxinas usadas tanto para fins médicos, quanto alimentares.

_x000D_

Para que o composto LAL seja obtido, é necessário que o montante de sangue de 500 mil límulos, por ano, seja, extraído, através da perfuração do pericárdio de seu coração. Neste processo, feito há algumas décadas, 15% dos exemplares capturados são mortos, enquanto o restante é devolvido ao habitat. Um litro do sangue pode custar até R$ 58 mil, tornando a exploração um negócio de centenas de milhões!

_x000D_

 

_x000D_

_x000D_

 

_x000D_

 

_x000D_

Fonte: Jornal Ciência

Mais notícias e eventos