Nosso site usa cookies para melhorar sua experiência. Ao prosseguir você concorda com nossa política de privacidade.

Como o Google Glass pode ajudar o seu cardiologista

Publicado em 24/11/2015 • Notícias

A realidade virtual já adentrou nas salas cirúrgicas. Desta vez, cardiologistas poloneses usaram o Google Glass em um procedimento considerado complicado.

Guiados por imagens tridimensionais, os médicos do Instituto de Cardiologia, na Varsóvia, Polônia desobstruíram com êxito a artéria coronária direita de um paciente de 49 anos de idade. Ele tinha oclusão total crônica, um bloqueio completo da artéria coronária, por vezes referido como a “fronteira final em cardiologia intervencionista”.

Os dados tridimensionais da artéria foram carregados em um aplicativo personalizado e exibidos através do Google Glass durante o procedimento, permitindo que os médicos conseguissem guiar o cateter para desobstruir a artéria.

Esse procedimento, conhecido como intervenção coronária percutânea (ICP), nem sempre é bem sucedido por causa da dificuldade no processamento das imagens da artéria.

Como os cardiologistas poloneses fizeram
Eles usaram a Angiotomografia Coronariana (CTA), uma técnica de imagem que combina a tomografia computadorizada com a angiografia e é cada vez mais utilizada pelos cardiologistas, pois permite uma visualização tridimensional do coração, das suas estruturas e das artérias coronárias de forma não invasiva. Normalmente, os dados tridimensionais da CTA são exibidos em monitores.

Então, em vez de usar os monitores, uma equipe de físicos do Centro Interdisciplinar de Matemática e Modelagem Computacional da Universidade de Varsóvia desenvolveu uma maneira de usar o Google Glass no lugar deles.

Nesta cirurgia, as imagens foram exibidas diretamente no campo de visão dos cardiologistas através do Google Glass. Segundo eles, foi mais confortável e mais fácil visualizar a artéria e guiar o cateter para a área obstruída. O procedimento terminou com a implantação bem sucedida de dois stents.

Wearables na medicina
Este caso demonstra como os dispositivos portáteis (wearables) podem ser usados para uma melhor orientação de procedimentos intervencionistas, e fornece a prova de que podem melhorar o conforto e a eficiência da cirurgia cardiológica, vibra Maksymilian P. Opolski, MD, PhD, do Departamento de Angiologia e Cardiologia Intervencionista do Instituto de Cardiologia, Varsóvia, Polônia.

A equipe acredita que os dispositivos portáteis têm um grande potencial para otimizar o ICP e, assim, beneficiar cirurgiões cardiologistas em suas atividades clínicas diárias. Eles salientam que estes dispositivos podem ser equipados com lentes com filtro que assegurem uma proteção contra radiação.

“A tecnologia móvel é facilmente acessível e oferece uma oportunidade incremental para expandir plataformas abertas para aplicações móveis, que pode por sua vez, superar as restrições econômicas e as limitações técnicas”, Maksy

Fonte: Blog O Futuro das Coisas

Mais notícias e eventos