Nosso site usa cookies para melhorar sua experiência. Ao prosseguir você concorda com nossa política de privacidade.

Cristália investe US$ 100 milhões no desenvolvimento de nova enzima

Publicado em 13/08/2015 • Notícias

No mercado desde 1972, o laboratório Cristália passou por várias fases da indústria farmacêutica nacional até começar a desenvolver suas próprias inovações. O laboratório de farmoquímicos para a produção de Insumo Farmacêutico Ativo (IFA) foi criado há 25 anos. Hoje o Cristália é o primeiro laboratório do país a obter o Certificado de Boas Práticas de Fabricação (CBPF) para IFA, concedido à planta de micro-organismos anaeróbicos instalada na divisão de biotecnologia do complexo industrial de Itapira (SP).

Nessa planta, será produzido o IFA colagenase – utilizado no tratamento de feridas, úlceras, queimaduras e tecidos necrosados -, desenvolvido verticalmente pelo laboratório, com pesquisa científica 100% brasileira. Da pesquisa da cepa ao desenvolvimento do produto, foram investidos cerca de US$ 100 milhões, incluindo a construção da planta, já certificada pela Anvisa.

“”Fomos nos capacitando para a produção de novas moléculas. A primeira patente surgiu em 2004, para o anestésico S-Ketamina. Paulatinamente, fomos desenvolvendo outras inovações e hoje acumulamos 76 patentes, sendo quatro no Brasil. Todas foram depositadas aqui, só não foram concedidas ainda, pois o país demora a analisar os processos””, diz Ogari Pacheco, presidente do Complexo Industrial Farmoquímico, Farmacêutico e de Biotecnologia Cristália.

A enzima colagenase comum é produzida por um número reduzido de laboratórios localizados fora do país, a partir de uma bactéria anaeróbica (que vive em ambiente sem oxigênio), a Clostridium histolyticum, encontrada no solo. Com intenso investimento em P&D, os cientistas da divisão de biotecnologia do Cristália – liderados pelo dr. Marcos Alegria, diretor de biotecnologia – decidiram produzir a enzima a partir de uma cepa descoberta em uma propriedade rural localizada em Espírito Santo do Pinhal (SP). Outra inovação foi cultivá-la em cultura a base de componentes vegetais. Isso evita a contaminação por príons – moléculas proteicas encontradas em tecidos animais e que podem causar doenças neurológicas.

Fonte: Valor Econômico

Mais notícias e eventos