Nosso site usa cookies para melhorar sua experiência. Ao prosseguir você concorda com nossa política de privacidade.

ICMS: ABIMED segue na busca por diálogo e resultado favorável

Publicado em 26/02/2021 • Notícias

O ano de 2021 começa com mais um passo da ABIMED junto às_x000D_
entidades da saúde para sensibilizar o Governo do Estado de São Paulo quanto à_x000D_
revisão do aumento da alíquota do ICMS para o setor: a formação do Movimento_x000D_
Unidos pela Saúde, que entra com uma forte campanha na mídia com o objetivo de_x000D_
reverter a situação ao proporcionar mais conhecimento da causa à população em_x000D_
geral.

Com o mote #AgoraNãoÉHoraSP, a campanha busca apresentar o_x000D_
quanto a nova tributação, imposta especialmente neste momento de pandemia, pode_x000D_
desestabilizar o setor e impactar no bolso de todos. Foram feitas peças de comunicação_x000D_
para redes sociais, comercial para veicular durante o intervalo de grandes_x000D_
telejornais, spots para rádio e um trabalho próximo a influenciadores digitais_x000D_
para passarem a mensagem a seus seguidores.

Nas peças da campanha, imagens ligadas ao setor são_x000D_
cuidadosamente relacionadas a fatos, como a questão de o ICMS na Saúde ter o_x000D_
potencial para fechar vagas do setor pelo Brasil, reduzir leitos hospitalares_x000D_
na pandemia e causar migração de convênios particulares ao SUS.

O Movimento Unidos pela Saúde integra as entidades ABIMED,_x000D_
ABIMO, ABRAIDI, ABRAMED, ABRAMGE, ANAHP, CNSAÚDE, FENASAÚDE E SINDHOSP. A_x000D_
campanha tem o prazo de veiculação entre a última semana de fevereiro até_x000D_
meados da segunda quinzena de março. Acesse
aqui o site oficial da_x000D_
campanha.

 

Trajetória de ações contra o imposto começou em 2020

Em outubro de 2020, foi aprovado no Estado de São Paulo o_x000D_
ajuste fiscal proposto pela lei 17.293/2020, que
 eleva a carga tributária de equipamentos_x000D_
médicos de 0% para até 18%.

Desde então, ao lado das demais entidades do setor, a ABIMED_x000D_
vem tentando reverter essa situação, como a formação da então Coalizão de_x000D_
Dispositivos Médicos, integrada por ABIMED, ABIMO e ABRADI.
  Foram realizadas importantes ações para_x000D_
sensibilizar o Governo com relação ao prejuízo que acarretaria a tributação,_x000D_
provocando aumento da saúde para o sistema privado e também o público (SUS),_x000D_
ainda mais durante uma pandemia como a que atravessamos, de longe a maior dos_x000D_
últimos 100 anos.

No final do ano passado, antes da entrada em_x000D_
vigor da nova legislação – que aconteceu em janeiro último – e com o apoio de_x000D_
um escritório de advocacia especializado em Direito Tributário, a Coalizão_x000D_
impetrou dois Mandados de Segurança com pedidos de liminares para tentar_x000D_
reverter a situação. No entanto, ambas as liminares foram negadas e o grupo_x000D_
recorreu da decisão. Os recursos não foram providos, porém, o mérito de ambos_x000D_
os Mandados de Segurança ainda não foi apreciado. A ABIMED então, em parceria_x000D_
com as demais entidades do setor,
ingressou como_x000D_
“amicus curiae” na Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) apresentada_x000D_
pela Anahp (Associação Nacional de Hospitais Privados) no Supremo Tribunal_x000D_
Federal
para fornecer subsídios ao STF que auxiliem_x000D_
no julgamento da causa.
A ABIMED está aguardando a ADI ser pautada para_x000D_
julgamento.

Outra importante ação do grupo foi o patrocínio, em janeiro, da_x000D_
webinar promovida pelo jornal Folha de S. Paulo com o tema “O impacto do_x000D_
aumento do ICMS no setor da Saúde”. O evento reuniu o
presidente do Instituto de Ensino e_x000D_
Pesquisa (Insper) e colunista da Folha de S. Paulo, Marcos Lisboa; o diretor do_x000D_
Comitê da Cadeia Produtiva da Saúde e Biotecnologia da Federação das Indústrias_x000D_
do Estado de São Paulo (FIESP), Ruy Baumer e o diretor-executivo da Associação_x000D_
de Assistência à Criança com Deficiência – AACD, Valdesir Galvan, e foi_x000D_
importante para esclarecer os motivos do setor para que a lei seja revista.

Está claro, como se vê, a relevância do debate sobre os_x000D_
efeitos negativos que surgiram e se maximizaram neste momento tão específico_x000D_
que atravessamos. E não se trata de deixar de pagar tributos, uma vez que o_x000D_
setor de saúde contribui com o Estado recolhendo seus impostos como todos, mas_x000D_
não pode aceitar que o aumento do ICMS cause dano, promovendo o desemprego, o_x000D_
fechamento de empresas e que dificulte a atualização tecnológica adequada e,_x000D_
especialmente, dano à saúde da população.

 

Ações não param: busca por urgência para favorecer_x000D_
instituições beneficentes

Pela lei_x000D_
17.293/20 e decretos posteriores que versam sobre a reforma fiscal no estado de_x000D_
SP, nosso setor perdeu a isenção de ICMS para os produtos relacionados no Anexo_x000D_
I do Convênio SEFAZ n. 1/99. Foi mantida a isenção para estes produtos nas_x000D_
vendas aos hospitais públicos federais, estaduais, municipais e santas casas,_x000D_
mas nas vendas aos hospitais assistenciais e beneficentes será cobrado ICMS.

Porém, há_x000D_
previsão legal para haver um tratamento tributário diferenciado, seja parcial_x000D_
ou total, referente à isenção de ICMS para esses hospitais em questão, caso as_x000D_
secretarias da fazenda e planejamento, secretaria de projetos, orçamento e_x000D_
gestão, e secretaria de saúde, construam uma regulamentação conjunta.

Neste_x000D_
sentido, a ABIMED acionou essas secretarias via ofício para pedir urgência_x000D_
nessa questão. Em São Paulo, a Secretaria da Saúde anexou este pleito ao_x000D_
protocolo do pedido feito a eles por outras entidades que também versam sobre o_x000D_
tema, tornando ainda mais próxima esta conquista. O pedido foi encaminhado para_x000D_
as demais secretarias tomarem uma decisão regulamentada.

 

Além disso,_x000D_
também foi encaminhado um ofício com o mesmo teor para o InvestSP, outra_x000D_
instituição que pode contribuir com o pleito.

A entidade continuará buscando o diálogo com o Governo do_x000D_
Estado de São Paulo, tendo como meta reverter a situação geral imposta ao_x000D_
setor. As recentes mudanças beneficiando os medicamentos genéricos e alimentos_x000D_
deixam a esperança de que ainda há diálogo possível. Isso, sem dúvida, motiva_x000D_
todos do setor da Saúde.

_x000D_
_x000D_
_x000D_
_x000D_
_x000D_
_x000D_
_x000D_
_x000D_
_x000D_
_x000D_
_x000D_
_x000D_
_x000D_
_x000D_
_x000D_
_x000D_
_x000D_
_x000D_
_x000D_
_x000D_
_x000D_
_x000D_
_x000D_
_x000D_
_x000D_
_x000D_
_x000D_
_x000D_
_x000D_
_x000D_
_x000D_
_x000D_
_x000D_
_x000D_
_x000D_
_x000D_
_x000D_
_x000D_

 

Fonte: ABIMED

Mais notícias e eventos