Nosso site usa cookies para melhorar sua experiência. Ao prosseguir você concorda com nossa política de privacidade.

Médicos de família e alimentação podem ajudar a reduzir custo da saúde

Publicado em 30/08/2015 • Notícias

_x000D_

O desenvolvimento tecnológico da área médica, o envelhecimento da população brasileira somado ao excesso do uso de medicamentos e à judicialização da saúde são os maiores desafios que o SUS (Sistema Único de Saúde) precisa enfrentar.

_x000D_

_x000D_

_x000D_

Em debate no Fórum de Tecnologia e Acesso à Saúde promovido pela Folha na manhã desta segunda-feira (31), no teatro Tucarena, na PUC-SP, especialistas fizeram um raio-X dos problemas no setor.

_x000D_

Lumena Furtado, da Secretaria de Atenção à Saúde do Ministério da Saúde (SAS), disse que nem sempre mais medicamentos significam mais saúde. “”Temos que cuidar do acompanhamento clínico para que o acesso ao insumo não se torne um falso acesso. O paciente não pode tomar o remédio da maneira errada.””

_x000D_

Furtado lembrou que as tecnologias leves, como a medicina da família, permitem que o cidadão tenha autonomia dentro do projeto terapêutico. A prática pode ajudar a diminuir os custos do sistema visto que os pacientes são acompanhados de maneira preventiva.

_x000D_

Outro exemplo que pode reduzir os gastos no futuro é a diminuição do sódio em alimentos processados. Segundo a especialista, uma parceria do Ministério da Saúde com as empresas produtoras de alimentos reduziu a presença do sal nos pratos brasileiros em 7.600 toneladas em 2 anos. A meta é chegar a 2022, retirando 22 mil toneladas. A ação, segundo ela, levará à diminuição do consumo de remédios para pressão em cerca de 1 milhão de pessoas.

_x000D_

_x000D_

_x000D_

_x000D_

Jorge Araújo/Folhapress

_x000D_

_x000D_

_x000D_

_x000D_

O diretor-presidente da ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar), José Carlos de Souza Abrahão, acrescentou que o SUS precisa de maior integração nas informações para que os gestores tenham maior embasamento na hora de tomar decisões.

_x000D_

O médico lamentou a judicialização da saúde, que obriga o sistema de saúde, por meio de processos judiciais, a bancar procedimentos e medicamentos que não estão disponíveis no Brasil.

_x000D_

Do lado privado, Marcio Coriolano, presidente na FenaSaúde, disse que a lei que regula os planos de saúde “”precisa ser trazida à realidade””.

_x000D_

Como os planos são obrigados a cuidar de todas as doenças previstas na classificação internacional de doenças e os custos da tecnologia de tratamento são cada vez maiores, há, segundo Coriolano, um descompasso cada vez maior entre o custo da medicina e a capacidade de pagamento da sociedade brasileira.

_x000D_

Abrahão defendeu a legislação e afirmou que o envelhecimento da população brasileira, que alcançou 75 anos de expectativa de vida, deve ser acompanhado pelos planos. 

_x000D_

Fonte: Folha de S.Paulo

Mais notícias e eventos