Nosso site usa cookies para melhorar sua experiência. Ao prosseguir você concorda com nossa política de privacidade.

O Google quer descobrir do que são feitos nossos genes

Publicado em 21/07/2015 • Notícias

A Calico, empresa de biotecnologia criada pelo Google para estudar a velhice e doenças relacionadas, vai mergulhar no banco de dados genéticos de uma unidade da Ancestry.com LLC para procurar influências hereditárias na longevidade.
A AncestryDNA, unidade da companhia de genealogia de Utah, reuniu mais de 1 milhão de amostras de DNA com kits de testes que vende a clientes por US$99 para ajudar a mapear históricos familiares. Além da informação genética, a Calico terá acesso a dezenas de milhões de árvores genealógicas criadas or clientes, que incluem datas de nascimento e morte, relacionamentos e localizações.
“Agora que temos um milhão de amostras, há poder estatístico suficiente no banco de dados para elucidar alvos de remédios”, disse Ken Chahine, vice presidente executivo da Ancestry e diretor de DNA e saúde. “Se você encontra um número de indivíduos cujas famílias viveram muito tempo e tivermos as informações genéticas dessas pessoas, é um caminho para começar a criar hipóteses sobre a herança da longevidade”.
Companhias de saúde estão colhendo os frutos das grandes quantidades de informações digitais sobre os códigos genéticos das pessoas para buscar dicas sobre como as doenças se desenvolvem – e como podem ser curadas ou prevenidas. Os bancos de dados crescem conforme os custos caem a cifras de até US$1.000 para sequenciar um genoma completo, e genótipos seletivos são ainda mais baratos.
A empresa fechada Ancestry.com relatou US$619,5 milhões em renda no ano passado. Chahine não soube dizer quanto as vendas de kits de DNA contribuíram para o número. As companhias se recusaram a divulgar os termos financeiros do acordo.
Tarefa difícil
“Nossa experiência comum sugere que pode haver fatores hereditários por trás da longevidade, mas descobrir esses genes usando técnicas padrão se mostrou impossível”, disse David Botstein, diretor científico da Calico. “Essa é uma oportunidade extraordinária para responder questões sobre a pesquisa de longevidade”.
Ao anunciar a criação da Calico em 2013, o CEO do Google Larry Page disse em um post de blog que a companhia esperava melhorar “milhões de vidas” com “pensamento de longo prazo sobre saúde e biotecnologia”. A Calico, palavra que vem de California Life Sciences LLC, é gerida por Arthur Levinson, presidente da Aple e ex-presidente e CEO da unidade Genetech da Roche Holding AG.
Parceria crescente
Durante o ano passado, a Calico formou alianças com parceiros industriais e acadêmicos. A AbbVie Inc. contribuiu com US$750 milhões na construção de um centro de pesquisa e desenvolvimento, e a Calico também assinou contratos de colaboração com a Q3B, aceleradora de startups de tecnologia apoiada pela Universidade da Califórnia, e com o Broad Institute, um centro administrado pelo MIT e por Harvard.
A Calico não é a única companhia observando genes de clientes para obter informações sobre a saúde humana. Outra startup do Vale do Silício, 23andMe, que vende kits de DNA a clientes, também procura alvos para medicamentos e está trabalhando com fabricantes de remédios que estão ansiosas para acessar a base de dados de informações genéticas.
A Ancestry.com abriu uma nova divisão, a Ancestry Health, em 16 de julho, que permitirá que consumidores criem um histórico de saúde familiar parecido com as árvores genealógicas criadas com o Ancestry.com. A divisão AncestryDNA está explorando a criação de um kit de teste focado em saúde para concorrer com a 23andMe, de acordo com Chahine.

Fonte: InfoMoney

Mais notícias e eventos