Nosso site usa cookies para melhorar sua experiência. Ao prosseguir você concorda com nossa política de privacidade.

Problemas do SUS abrem espaço para empreendedores

Publicado em 10/11/2015 • Notícias

_x000D_

_x000D_

_x000D_

_x000D_

_x000D_

_x000D_

_x000D_

_x000D_

_x000D_

_x000D_

_x000D_

_x000D_

No Brasil, cerca de 70% da população depende do Sistema Único de Saúde (SUS) para atendimento emergencial ou especializado. A alta demanda transforma,em muitos casos, o atendimento insuficiente, abrindo campo para oportunidades de negócios para os empreendedores de startups.
A conclusão integra um levantamento ainda inédito realizado pela norte-americana International Partnership for Innovative Healthcare Delivery (IPIHD), instituição especializada em negócios na área de saúde,em parceria com a aceleradora de negócios de impacto social Artemisia.
Denominado “Tendências de inovação para a saúde na América Latina e Caribe”, o estudo identifica áreas promissoras sobre tudo na chamada“saúde digital”, que busca atender pacientes que demandam cada vez mais informações e lançam mão de dispositivos tecnológicos,como computadores, celulares e os wearable devices (acessórios vestíveis).
Classe média. Diante do desafio de empreender na área no Brasil, País em que 85% da população é formada pelas classes C, D e E, responsáveis por 47% da renda total, o instituto Artemísia aponta serviços complementares ao SUS como outra forma eficiente de conquistar uma fatia de mercado ainda não atendida.
Na prática, são negócios que melhoram a qualidade do serviço prestado pelo governo por meio de soluções que potencializem atendimento deficitário.
Segundo o relatório, despontam como promissoras ideias de negócios que seguem a tríade “rapidez, eficiência e baixo custo”.
Recursos. Dados da consultoria PwC indicam que, somente dos Estados Unidos, startups da área de saúde levantaram US$ 3,9 bilhões (cerca de R$ 14,78 bilhões) em investimento-anjo e venture capital apenas no primeiro trimestre de 2015. O crescimento, quando isolado apenas o nicho de tecnologias digitais na área, foi de 56%, comparado ao mesmo período do ano passado.
O Brasil ainda não produz dados sobre o setor.Mas, de acordo com a mesma PwC,a estimativa é de que o setor movimente R$ 14,73 bilhões em dois anos.
Na opinião da Artemísia, doenças crônicas não transmissíveis como hipertensão e lesões de coluna são enfermidades que constituem oportunidades para negócios de impacto social, voltados à promoção da saúde preventiva. Estima se que 31% da população brasileira enfrenta algum problema do tipo. A hipertensão é considera a principal causa de morte no País em todas as faixas de renda
 
http://portal.newsnet.com.br/portal

Fonte: O Estado de S.Paulo

Mais notícias e eventos