Nosso site usa cookies para melhorar sua experiência. Ao prosseguir você concorda com nossa política de privacidade.

Taxas de licenciamento ambiental aplicadas pela CETESB

Publicado em 14/04/2021 • Notícias

Prezadas Associadas,

 

Recebemos da nossa assessoria jurídica algumas_x000D_
atualizações sobre os recentes desdobramentos dos Mandados de Segurança_x000D_
impetrados pela FIESP e pelo CIESP em face dos Decretos Estaduais que majoraram_x000D_
as taxas de licenciamento ambiental aplicadas pela CETESB, no Estado de São_x000D_
Paulo, as quais entendemos necessárias levar ao conhecimento de vocês.

 

No primeiro Mandado de Segurança (processo nº_x000D_
1011107-35.2018.8.26.0053), a FIESP e o CIESP obtiveram a liminar em 22/03/2018_x000D_
e, na  na sequência, a segurança foi concedida (sentença favorável) pela_x000D_
12ª Vara da Fazenda Pública/SP para que a CETESB NÃO APLIQUE o Decreto nº_x000D_
62.973/2017, do Estado de São Paulo, às empresas substituídas das Impetrantes_x000D_
(FIESP e CIESP), “não as sujeitando ao novo procedimento relativo ao cálculo_x000D_
de preços do licenciamento ambiental e ao estabelecimento dos demais preços aos_x000D_
serviços afins, aplicando o cálculo anteriormente realizado para tais preços,_x000D_
com a emissão de guia para pagamento.
” A sentença continua válida_x000D_
e, em sede de Apelação, os recursos interpostos pela CETESB e pela Fazenda_x000D_
Pública do Estado de São Paulo foram desprovidos (rejeitados). 
O_x000D_
processo continua em andamento.

 

Ocorre que o Estado de São Paulo editou o Decreto n.º 64.512/2019_x000D_
sobre o mesmo assunto, o que motivou a impetração de outro Mandado de Segurança_x000D_
Coletivo contra a CETESB (processo nº_x000D_
1064352-24.2019.8.26.0053)
. Este segundo Mandado de Segurança_x000D_
tramitou na 5ª Vara da Fazenda Pública/SP, para o fim de suspender a aplicação_x000D_
deste regulamento (cálculo dos novos preços para expedição ou renovação das_x000D_
licenças ambientais) aos associados ao CIESP e aos filiados à FIESP. Foi_x000D_
CONCEDIDA LIMINAR em 19/12/2019 e, no mérito, o Poder Judiciário julgou_x000D_
favoravelmente em 10/03/2020 para  “… afastar a metodologia de_x000D_
cálculo constante no Decreto 64.512/2019, que visa calcular a taxa do licenciamento_x000D_
ambiental às empresas substituídas dos impetrantes, devendo o cálculo ser_x000D_
elaborado nos termos da legislação anterior”.
 

 

Contudo, infelizmente o recurso de Apelação da CETESB no segundo_x000D_
Mandado de Segurança Coletivo foi acolhido, e o Acórdão está pendente_x000D_
de publicação
. Neste ponto, sugerimos que as áreas jurídicas das associadas_x000D_
ABIMED que façam parte do polo ativo do Mandado de Segurança em questão,_x000D_
monitorem a publicação da decisão (acórdão) a fim de avaliar todas as medidas_x000D_
possíveis para reverter a decisão desfavorável.

 

Desta forma, é importante que todas as empresas que se valeram da_x000D_
decisão proferida com base na liminar e sentença favoráveis, no âmbito do_x000D_
Decreto n.º 64.512/2019 nos seus processos de licenciamento ambiental,_x000D_
verifiquem os valores recolhidos a fim de contingenciá-los caso haja cobrança_x000D_
por parte da CETESB sobre a diferença
.  

De_x000D_
outro lado, permanece integralmente em vigor a decisão favorável e benefícios_x000D_
obtidos no processo_x000D_
nº 1011107-35.2018.8.26.0053 decorrente da aplicação no processo de_x000D_
licenciamento da definição da área integral de fonte de poluição estabelecida_x000D_
no Decreto nº 62.973/2017.

 

Atenciosamente,

 

Fernando_x000D_
Silveira Filho

_x000D_
_x000D_
_x000D_
_x000D_
_x000D_
_x000D_
_x000D_
_x000D_
_x000D_
_x000D_
_x000D_
_x000D_
_x000D_
_x000D_
_x000D_
_x000D_
_x000D_
_x000D_
_x000D_
_x000D_
_x000D_
_x000D_
_x000D_
_x000D_
_x000D_
_x000D_
_x000D_
_x000D_
_x000D_
_x000D_
_x000D_
_x000D_
_x000D_
_x000D_
_x000D_
_x000D_

Presidente_x000D_
Executivo da ABIMED

Fonte: ABIMED

Mais notícias e eventos