Nosso site usa cookies para melhorar sua experiência. Ao prosseguir você concorda com nossa política de privacidade.

Portal Decision Report

Publicado em 17/08/2015 • Notícias

O financiamento e o acesso a serviços para a saúde são os dois maiores obstáculos que impedem, mundialmente, o desenvolvimento de uma infraestrutura mais efetiva e eficaz de serviços de saúde, de acordo com uma nova pesquisa global realizada com profissionais do setor pela Polycom.

O estudo também mostrou que, dos resultados globais ilustrados regionalmente, os entrevistados das regiões APAC (20%) e EMEA (30%) acreditam que o envelhecimento da população representará o maior desafio aos cuidados com a saúde em 2025. Enquanto os entrevistados na América do Norte avaliaram que a grande demanda será na infraestrutura dos serviços de saúde.

A Polycom entrevistou mais de 1.200 profissionais do setor de saúde para este estudo global, o qual também revelou que a evolução das tecnologias ? relativas aos celulares, à Internet das Coisas (IoT) e ao Big Data ? oferece a perspectiva mais promissora para superação desses obstáculos com a saúde em 2025. No entanto, a fim de atingir esse objetivo, os tecnólogos sêniores devem ter um assento à mesa da sala de reuniões da administração das empresas para assegurar a integração correta das tecnologias. Deste modo será viável alcançar a transformação digital necessária no setor subindo do patamar de apenas tratar os doentes para o de prevenção e do bem-estar das pessoas.

Quando perguntado aos participantes da pesquisa sobre quais são os maiores inibidores para alcançar um futuro melhor na saúde, a maioria dos entrevistados, independentemente da região geográfica, identificaram o financiamento, o acesso a serviços de saúde e a falta de apoio do governo como os principais inibidores.

No entanto, quando os entrevistados foram segmentados por ocupação, os pontos de vista desses profissionais de saúde que trabalham em campo e em administração diferenciaram-se consideravelmente. Por exemplo, na região APAC, aqueles que trabalham em cargos executivos, em finanças, em inovação e planejamento acreditam que o maior inibidor é o acesso aos serviços de saúde. Comparativamente, os profissionais de serviços de enfermagem, da administração e atendimento a pacientes consideram que é o financiamento ou despesas de contribuição o fator que representa o maior desafio. Somente na América do Norte foram ambos os níveis de profissionais que concordaram entre si ao afirmarem ser a acessibilidade aos serviços de saúde, como resultado da disparidade de renda, o maior inibidor.

“”Evidentemente, a oferta e prestação de serviços de saúde está mudando à luz de desafios como a escassez de médicos e o rápido processo de envelhecimento populacional, de maneira que isto requer uma transformação digital, a fim de lidar com as pressões que recaem sobre o setor””, diz Ron Emerson, Diretor Global de Saúde da Polycom. “”Nos últimos anos, tornou-se claro que a tecnologia é a chave para o futuro dos cuidados com a saúde. Os resultados dessa pesquisa destacam como o setor pode integrar melhor e utilizar o desenvolvimento tecnológico para mudar o jogo, de modo a acelerar as aplicações de telemedicina ou telessaúde para maximizar seu potencial e realizar novos modelos de prestação de serviços em 2025. “”

Fonte: Portal Decision Report

Mais notícias e eventos